Pesquisar
Close this search box.

Arquitetura 2024: Harmonizando Forma, Função e Sustentabilidade

Compartilhar

Facebook
Twitter
WhatsApp

Foto: Divulgação 

Nos primeiros meses de 2024, a arquitetura contemporânea embarca em uma jornada de evolução, apresentando novas tendências que prometem redefinir a estética e funcionalidade dos espaços. A fusão entre essas inovações e a criatividade permanece como o epicentro dessas transformações, moldando nossa maneira de viver e interagir com o entorno.

Uma das tendências em ascensão para esse ano é a integração da natureza aos ambientes. Jardins internos, paredes verdes e a ampla utilização de plantas emergem como características essenciais. Além dos benefícios para a qualidade do ar, a presença de elementos naturais dentro de casa cria espaços serenos e relaxantes.

“A crescente busca por uma conexão mais profunda com a natureza direciona as tendências arquitetônicas dos próximos anos. Espera-se um aumento no uso de materiais naturais, como madeira maciça, pedra e mármore. Esses materiais não apenas adicionam textura aos espaços, mas também contribuem para ambientes saudáveis e ecologicamente conscientes”, ressalta o presidente da Colmeia, Otacílio Valente.

Um dos exemplos dessa propensão é o One, que está próximo de ser entregue pela empresa, onde o conforto ultrapassa os sentidos, o bem-estar se une à sofisticação e a vida se conecta à natureza. Nele a gentileza urbana é um conceito que ganha destaque, além da crescente preocupação com a qualidade de vida, tanto dentro como fora de casa, ações que promovem a gentileza urbana estão cada dia mais requisitadas. É importante oferecer aos seus elementos que promovam o pertencimento com projetos desenvolvidos pensando na arquitetura sustentável, otimizando o uso de recursos naturais e buscando gerar mínimo impacto no meio ambiente.

A conectividade inteligente está transformando a maneira como interagimos com os espaços. Nos próximos anos se verá uma integração ainda mais profunda da tecnologia smart, desde casas inteligentes até edifícios comerciais que respondem de forma dinâmica às necessidades dos ocupantes.

Otacílio lembra que ao explorarmos essas tendências e alinharmos com as correntes do design de interiores, a arquitetura integra natureza, funcionalidade, tecnologia e sustentabilidade, resultando em espaços inovadores, agradáveis e ecoconscientes.